Aplicativo para registro de reclamações foi desenvolvido pelo diretor e ouvidor da Cagepar para o sistema Android. Usuários de outros sistemas poderão usar o computador 

28652Com a tecnologia tão próxima de todos e sendo utilizada por todos pelos toques na tela de um celular, os aplicativos surgem para aproximar os cidadãos dos serviços mais essenciais. É o caso do aplicativo que a Agência Reguladora- Cagepar- lançou nesta semana em Paranaguá com o objetivo de facilitar o registro e consulta de reclamações sobre o abastecimento de água e esgoto.

Depois de baixar o aplicativo, completar os dados pessoais, o cidadãos pode registrar uma reclamação ou consultar o status da mesma.

Ler mais →


DC 3 nota paraná.indd


Acessando o Blog pelo celular, os internautas podem acompanhar vagas de emprego em Paranaguá, disponibilizadas pelo Sine

IMG_2558O Blog da Luciane, há alguns meses, disponibiliza uma ferramenta para ajudar na procura por emprego. Quem acessa o Blog pelo celular pode ver que, ao final da lista de matérias, vai encontrar um quadro com vagas de emprego em Paranaguá.

Esta ferramenta só pode ser visualizada pelo celular, mas é muito fácil.

“Acredito que, toda forma de ajudar pessoas, deve ser adotada por qualquer veículo de comunicação. Quando foi ofertada, para o Blog, esta possibilidade não tive dúvidas em aceitar. Fico satisfeita em usar este veículo de comunicação e meu trabalho como jornalista para ajudar pessoas”, digo sempre!

Além disso, foi lançado o aplicativo Sine Fácil e que já ajudou 150 mil trabalhadores a conseguirem entrevistas de emprego. Pela ferramenta, que funciona em qualquer smartphone que usa o sistema operacional Android e pode ser instalada gratuitamente a partir de lojas de aplicativos, os trabalhadores estão conseguindo acessar as vagas de emprego disponíveis no Sine de todo o país e se candidatarem a elas – tudo pelo telefone.
Ler mais →


14506891653418Está sendo desenvolvida uma nova função do aplicativo WhatsApp que permitirá que o usuário dê destaque a conversas mais importantes.

Segundo notícia do site Android Police, especializado em aplicativos e jogos para Android, com essa ferramenta, será possível deixar três contatos favoritos no topo das mensagens. Assim, eles ficarão mais acessíveis ao abrir o aplicativo.

O usuário também poderá trocar esses contatos por outros quando quiser, mas o WhatsApp não vai permitir mais de três pessoas em destaque. Com essa mudança, quem tiver muitas mensagens acumuladas, vai ver sempre as que tiver mais interesse.

Veja também

Dê sua opinião: O que achou da novidade? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook!


Tecnologia visa aproximar cidadão do serviço público em tempo real

15175510_1193377657440274_2038327997_nA Câmara Municipal aprovou por unanimidade o Projeto de Lei do vereador Arnaldo Maranhão (PSB) que prevê a criação de um aplicativo para celulares e tablets em Paranaguá. O objetivo da tecnologia é facilitar ao cidadão fiscalizar, propor e avaliar melhorias para o serviço público municipal. “Através desse aplicativo a pessoa poderá se relacionar em tempo real com a Prefeitura, registrando ocorrências verificadas em vias públicas, logradouros, obras e serviços públicos de responsabilidade do Município e encaminhá-las até a Administração Municipal para as providências necessárias”, resumiu o autor da proposta. Ler mais →


img_1_39_7813Até o final de 2016, o WhatsApp não irá mais oferecer suporte ao BlackBerry e outros sistemas operacionais mais antigos, como S40 e Symbian (da Nokia), o BlackBerry e até versões antigas dos próprios Android e Windows Phone. O aplicativo de mensagens mais querido do mundo passará a ser exclusivo de Android, iOS e Windows Phone.

O anúncio já é oficial e foi feito pelo blog do WhatsApp. No entanto, não foi revelado se esses sistemas ficarão sem o WhatsApp em suas lojas virtuais, se o programa vai parar de funcionar ou se simplesmente não receberão mais atualizações.

“Por mais que estes aparelhos celulares tenham feito uma importante parte em nossa história, eles não possuem a capacidade requerida para que possamos expandir os recursos de nosso aplicativo no futuro”, diz o WhatsApp.

No fim do texto, porém, o que parece é que o aplicativo vai mesmo parar de funcionar nestas plataformas em um futuro próximo. O WhatsApp é direto ao orientar os consumidores a comprarem novos smartphones.
“Caso você utilize um destes aparelhos, nós recomendamos que troque por um aparelho Android, Apple ou Windows Phone mais atual antes do fim de 2016 para que possa continuar usando o WhatsApp”, finaliza.

Com a mudança, passarão a ser suportados pelo WhatsApp somente aparelhos com o Android 2.3 ou superior, iOS e Windows Phone 8.1 ou superior. A modificação ocorrerá “até o final de 2016″ segundo declaração.

(com informações do site TechTudo)


Aplicativo whatsapp colaborou no encaminhamento de 66 pessoas para a delegacia em nove meses de uso

capa- whatsapp políciaO aplicativo whatsapp tem sido usado para manter conversas, informar sobre os mais variados assuntos, reunir grupos com afinidades em comum. E a Polícia Militar de Paranaguá lançou o uso do aplicativo de maneira inédita.

Com isso, a polícia conta com a ajuda de populares contra o crime. De acordo com o Capitão Nelson Gonçalves, do 9º Batalhão da Polícia Militar, a ligação é feita diretamente para os policiais que acolhem as denúncias.

“Os frutos que estão sendo colhidos são excelentes”, disse. E, ainda segundo o Capitão Nelson, o uso do aplicativo neste sentido tem servido de exemplo para o Paraná.

Uma equipe especial recebe as informações, que podem ser encaminhadas via texto, fotos ou áudio e vídeo, e é feito um banco de dados para que uma equipe de investigação verifique a veracidade.

“Não basta uma denúncia, mas cautela e acompanhamento. Com informações suficientes em mãos, os policiais podem fazer pedidos de mandado de busca e apreensão junto ao Judiciário”, explicou o capitão.

Hoje muitas pessoas passam denúncias e trocam informações com policiais que coletam dados essenciais que acabam na prisão de quadrilhas que vem agindo em Paranaguá.

Desde que foi lançada a iniciativa, 66 pessoas foram encaminhadas para a delegacia, nos últimos nove meses.

O serviço não é o mesmo encaminhado para o 190. Por meio da webdenúncia, via whasapp, a polícia já recebeu cerca de 1.000 denúncias sobre variados crimes. Existe uma média de 80 denúncias mensais e 40% não são aproveitadas. São ocorrências que poderiam ser resolvidas no 190 que é telefone de emergência e o webdenúncia ajuda num trabalho de investigação.

Números

Desde que o webdenúncia foi implantado foram realizadas 192 denúncias efetivas e 52 foram resolvidas e o resultado foi de 66 pessoas encaminhadas para a delegacia. Apreensão de drogas, dinheiro, veículos recuperados, armas apreendidas são alguns assuntos abordados nas denúncias e há, ainda, 140 denúncias sendo analisadas.

Maior parte das denúncias é com relação a tráfico de drogas, seguido de foragidos da Justiça e em terceira fica o porte ilegal de arma.

Quem tem interesse em denunciar atividade ilícitas pode mandar texto, vídeo ou fotos do que está presenciando e sem medo, porque seu telefone ou nome fica sob mais absoluto sigilo. Detalhes como placa de um carro, movimentação frequente numa casa, como costuma passar essa droga, pessoas que trabalham para o traficante e qualquer informação pode ser somada a de outros. “O retorno pode demorar, mas é um trabalho de investigação para preparar a ação”, explicou o capitão.

O Whatsapp não substitui o telefone de emergência da corporação. Em casos de ocorrência que necessitem da presença imediata da polícia militar, deve ligar para o 190. No caso do webdenúncia, o telefone é 9524-5661.

Caso

Policiais militares, após denúncia via web, chegaram até o autor do roubo ocorrido no dia 07 de janeiro num estabelecimento comercial. Ele estava numa residência do bairro Padre Jackson com alguns produtos do roubo.

Logo que foi abordado, o jovem de 22 anos, confessou a participação no crime e mostrou onde se encontravam os produtos. Ele foi levado para a delegacia.

 


TCP lança aplicativo para celular e tablets App Portal do Cliente está disponível para iOS e Android e permite consultas sobre contêineres, agendamentos e programa de navios

portal do cliente tcpA TCP – empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá, acaba de disponibilizar para seus clientes e parceiros um aplicativo gratuito, oapp Portal do Cliente, que está disponível para celulares e tablets, e permite que o usuário faça consultas sobre contêineres, agendamentos e programações de navios.

O aplicativo pode ser baixado nas lojas eletrônicas Google Play (www.play.google.com.br) e Apple Store (www.store.apple.com.br), disponível para os sistemasAndroid e iOS. “Com o app, o cliente ou parceiro da TCP consegue acessar informações que antes só estavam disponíveis pelo site Portal do Cliente. Com isso, será possível acompanhar a movimentação de cargas, de qualquer lugar e a qualquer hora. Basta estar conectado”, explica Alexandre Teixeira  Rubio Diretor Financeiro da TCP

Para o acesso às informações do aplicativo, o usuário deverá utilizar o mesmo login e senha utilizados no Portal do Cliente da TCP. Através dele, é possível acompanhar informações sobre contêineres cadastrados, inventário de contêineres, contêineres e cargas agendadas e a programação de navios.

O aplicativo está em funcionamento desde o início de dezembro e foi desenvolvido pela equipe de Tecnologia de Informação do Terminal.


WhatsApp-3As principais operadoras de celular do país foram intimadas pela Justiça a bloquear o serviço do aplicativo de mensagens em todo o território nacional por 48 horas, a partir da 0h desta quinta (17).

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) afirma que a decisão partiu da 1ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e corre em segredo de justiça em uma ação criminal.

Segundo o TJ-SP, o WhatsApp não atendeu a uma determinação judicial de 23 de julho de 2015, com relação a informações que envolveriam situações de segurança pública. A empresa foi notificada mais uma vez em 7 de agosto, com uma multa fixada em caso de não cumprimento.

O WhatsApp não atendeu à determinação novamente, de acordo com o TJ-SP. Por isso, “o Ministério Público requereu o bloqueio dos serviços pelo prazo de 48 horas, com base na lei do Marco Civil da internet”.

Essa não é a primeira tentativa de bloquear o WhatsApp no país. Em fevereiro, um juiz de Teresina (PI) havia determinado que as operadoras suspendessem temporariamente o acesso ao app de mensagens.

O motivo seria uma recusa do WhatsApp em fornecer informações para uma investigação policial que vinha desde 2013.

Mas o motivo ainda não atinge o consumidor final que quer é ter condições de usar o aplicativo sem problema.

 


Projeto foi desenvolvido na unidade do IFPR de Paranaguá.
Iniciativa busca ajudar pesquisadores a encontrar baleias encalhadas.

equipe_larus_fonte_fernanda_sartorUm grupo de estudantes de Paranaguá desenvolveu um aplicativo para ajudar quem pesquisa a vida marinha. A plataforma Larus, que deve estar disponível em breve para os usuários de aparelhos móveis, ajuda a mapear os locais onde há aparições de animais como baleias, tartarugas, pinguins, entre outros.
Segundo o estudante Jorge Ferreira Neto, do Instituto Federal do Paraná (IFPR), um dos idealizadores do aplicativo, a demanda surgiu de pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que trabalham no monitoramento dessas espécies.

Segundo ele, as equipes da UFPR recebem muitas notificações sobre as espécies marinhas encontradas em praias vindas da população. No entanto, as informações sobre as espécies e a localização exata nem sempre são precisas.

De acordo com a professora Izabel Carolina Raittz Cavallet, que orientou o trabalho dos estudantes, o aplicativo Larus deve estar disponível para download em dispositivos com o sistema operacional Android, nas próximas semanas. Ela conta que esse foi o primeiro aplicativo criado pela linha de projetos de empreendedorismo inovador do IFPR. Além de Jorge, também participaram do desenvolvimento os alunos Flávia Rossato e Renata Cristina dos Santos.
Jorge, que recebeu uma bolsa de pesquisa para desenvolver o aplicativo, conta que essa foi a segunda experiência dele no ramo da programação.

Embora esteja ganhando dinheiro a partir do aplicativo de entrega de comida, Jorge conta que o objetivo com o projeto Larus não tem fins lucrativos. “O apoio financeiro veio do IFPR. Ganho uma bolsa por mês”, conta. Ainda segundo ele, o programa será distribuído pela loja de aplicativos do Google e quem quiser ajudar nas pesquisas não precisará pagar por ele.

Fonte: Globo.com



vermelho {limão}